Descendentes da Ventania

Ir em baixo

Descendentes da Ventania

Mensagem por ADM.Noskire em 31/1/2015, 09:48

Descendentes da Ventania

Aventura de Zhou Kun.

_________________
— Façam suas preces... malditos.
— Matarei cada um de vocês!


Prólogo | Apresente-se | Regras
Dúvidas | Criação de Personagem
avatar
ADM.Noskire
Admin

Mensagens : 691
Data de inscrição : 01/12/2014
Idade : 26
Localização : Natal/RN

Ver perfil do usuário http://reinodastrevas.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Capítulo 1 - Fogo de Raposa

Mensagem por Matheus.sam em 3/2/2015, 18:32

Capítulo 1 - Fogo de Raposa -

  Já não fazia mais juízo da hora, mas suspeitava a aproximação da escuridão, seja às custas do entardecer ou da densidade das árvores, não era possível ver com clareza mais de 20 a 30 metros de distância. Quem olhasse da cidade talvez nos visse caminhando para o extremo oeste de Du Weldenvarden. No limiar da floresta me encontrava cogitando colar o ouvido ao chão, a procurar algum sinal de movimento estranho. Lembrei de quando ensinei tal técnica a meu amigo, ele ria, incrédulo da eficácia, hoje, talvez dependamos disso. Sorri por um momento, distraído.

  Hoje mais cedo, fiz-me surpreso quando Hall veio em busca de minha ajuda. Já havia auxiliado meu velho amigo mestre da caça por diversas vezes no passado, como ele também a mim, mas nunca em tão tensa situação. Partimos sem demora, de modo que não fora rica em detalhes a explicação de meu amigo e pouco nos preparamos antes da partida, limitei-me a buscar minha velha sacola, se tinha o que precisava na sacola, era outra cousa. Rondavam boatos que sondava nossa vila alguma criatura da escuridão, metendo-se pelas bandas da floresta, em busca de abrigo imaginávamos. Os caçadores, no geral, tomam parte sozinhos quando algum animal nos ameaça, mas se Hall veio até mim, já deve suspeitar que não será simples o problema.

  Por sobre das copas lancinava o vento, num silvo de atiçar calafrios. Indiquei com a cabeça minha tocha, pedindo que fizesse o favor de acendê-la. Não nos protegeria de tudo, mas já de alguma valia seria. Hall me olhou, mas não sei se reconheceu o gesto. Com o tremular da chama mais fácil era reconhecer o "fogo de raposa", musgo Udon que tantas vezes vim aqui procurar num passado não tão distante com a ajuda de meu amigo. Pensei em recolher um pouco, mas não era dia de coleta nem momento para pensar nisso. "Nem devo estar com a espátula para tanto", calculei comigo. Fiquei a pensar na bolsa que trouxe, nos objetos que costumava carregar dentro: pequenos potes, a própria espátula, pacotes, minha velha corrente de prata... quase tão útil quanto um bordão era uma corrente de prata. A prata é boa no combate às criaturas das trevas pois ou anula seus poderes ou os fere. Mas sentia a bolsa leve demais, de modo que talvez nem tivesse nada de útil dentro.

  Éramos só dois, já que um grupo grande muito barulho faz. Imaginei que Hall tivesse dividido seus caçadores em grupos diversos, discretos, cobrindo maior área. Pensei em perguntar-lhe se estava certo quanto a isso. Se sim um pouco mais tranquilo me sentiria, mas muito nos limitávamos em comunicação. O silêncio é vital quando procuramos algo com nossos sentidos, assim sendo, bastava falar-lhe o vital. Eu geralmente procurava alguma forma de descontrair as situações quando desconfortáveis, focando no processo em vez do geralmente mais temido produto final, mas não sabia se caberia no momento.

 Tensionei adiar o inevitável, mantendo-me parado mais alguns instantes tentando ouvir algo. Logo seria hora de por-se de pé, bater o pó das calças, e começar o processo de caminhar rumo ao desconhecido, passada a etapa contemplativa.

-"Nesta terra, os fracos são alvos para treinooo..." cantarolava baixinho comigo.
-"Não seja tão dramático," - tive a impressão de ouvir Hall murmurar - "Mas a música é boa".
  Senti o esboçar de um sorriso se formar no meu rosto e calculei que já era hora de por-nos em marcha.

-"Nesta terra, os fracos são alvos para treino...hum, que dramático".

Chefe da caça, Hall Ordun:


off:
"Espero que esteja ao agrado". Palavras do mestre cuca. Tentei corrigir o que me pediu, mas eu mesmo não lembro de tudo(as mensagens somem no outro dia)


Última edição por Matheus.sam em 5/2/2015, 09:16, editado 1 vez(es) (Razão : Recomendação do adm e da narradora)
avatar
Matheus.sam

Mensagens : 39
Data de inscrição : 14/01/2015
Idade : 24
Localização : Natal(christmas city)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Descendentes da Ventania

Mensagem por Pan em 20/2/2015, 09:02

First Verse


À oeste, o céu possuía uma mistura de cores quentes, o sol descia gradativamente por detrás das árvores da tão conhecida Floresta Guardiã. Muitos elfos andavam furtivamente por entre as árvores, atrás de animais hostis que poderiam estar ameaçando suas cidades, alguns andavam com extrema calma nas trilhas anciãs, mas, bem ao extremo da floresta, aqueles que tivessem olhos para ver encontrariam dois vultos negros se mexendo na linha que indicava o início daquela gigante floresta.

A noite começava a cair e o céu escurecia, a floresta ficava mais escura e a visão do que havia a frente virava nula. O homem mais velho indicou com a cabeça sua própria tocha, para que seu amigo a acendesse, o rapaz por outro lado parecia não compreender o gesto. Olhou na direção para onde o homem apontara com o gesto e viu a tocha, que estava perto do próprio. Hall pegou-a, finalmente compreendendo o que tinha que fazer, pegando um pequeno vidro contendo óleo de sua própria bolsa e dois pedaços de pedras lisas. Jogou um pouco do óleo sobre a ponta previamente preparada da tocha e bateu as pedras uma na outra, formando faíscas que caíram sobre o óleo e fizeram ele queimar, transformando a ponta em uma grande chama. O fogo na tocha tremulava e fazia sombras medonhas dos dois homens. Zhou pensava em recolher um pouco do musgo que ficava visível, agora que tinham luz, mas a ideia se foi tão rápido quanto chegou quando percebeu que aquele não era o melhor momento para que ele pudesse recolher ingredientes. O pensamento de que sua bolsa estava leve o fazia achar que ele não estava com seus itens costumeiros - a espátula, alguns fracos pequenos, pacotes e uma corrente de prata - Se olhasse lá, o máximo que encontraria seria seu amuleto, que devia estar em seu pescoço, e um pote vazio, que estava lá desde a última vez que usou a mochila.

Um barulho baixo foi ouvido, o farfalhar de folhas sendo pisadas. Hall olhou para seu Zhou como quem dissesse "Você ouviu isso?", e por um momento Zhou poderia ouvir a voz de seu amigo em sua mente. Se eles olhassem ao longe, seriam capazes de ver as casas de Carvahall em um tamanho minúsculo, como se tudo fosse apenas pequenos pontos cintilantes na escura noite. Adentro da Floresta, não era possível ver nada, sendo apenas um breu. O vento soprava fraco e fazia os galhos balançarem e se chocarem, o som produzido fazia parecer que as árvores conversavam entre si, fazendo a floresta parecer aterrorizante.

Sussurrando uma canção para si, Zhou sentiu que ouviu a voz de seu amigo comentando sobre a música, mas era apenas algo de sua cabeça e ele mesmo tornou a repetir a canção e o comentário.

-Temos que ir andando, Zhou. - Hall sussurrou para seu companheiro. - Separei quatro trios para podermos ter maior reconhecimento, mas não fazemos ideia de onde pode estar nosso alvo, apenas seguimos um rastro por direções diferentes. Vamos por aqui. - Alertou.

Hall começou a caminhar, ele continuava a espreita das grandes árvores da floresta. O fogo tremulava no topo da tocha, o céu agora estava completamente escuro, por detrás das montanhas que formavam a temida Espinha a luz da Lua começava a se fazer presente. Brisas frias passavam, adentrando as vestes dos homens e fazendo com que ele tremessem, no céu nuvens quase não eram percebidas pela escuridão, mas se olhassem bem, veriam que bastante estavam lá e parecia que iria chover naquela área. Eles andaram pouco quando Hall parou subitamente, ele se agachou e aproximou o fogo ao chão, vendo uma mancha sobre a grama. Comprimiu os lábios e soltou um muxoxo.

- Achei o rastro. Ele segue por dentro da Floresta, mas não sei aonde vai parar. O que você acha? Devemos segui-lo por aqui? - ele se levantou novamente, olhando para seu parceiro. As sobrancelhas estavam juntas, ele estava sério, e a voz estava rouca com o sussurro.

Ele esperava um reação de Zhou, como se aquele fosse seu líder. O que iria acontecer dali em diante era um mistério, nenhum deles sabiam o que esperar, tudo o que sabiam era que com certeza era perigoso. Ele tinha duas opções: Seguir o rastro adentrando a floresta, tendo chances de se esbarrar não só com os Elfos que patrulhavam ali, mas também com as bestas que lá viviam, como também poderia tentar dar a volta e chegar até o rio, tentando achar a trilha novamente.




OFF:

Espero que possamos ter uma aventura divertida. ♥
Peço que coloque sua ficha na assinatura.
Qualquer erro ou dúvida, MP.

E lembre-se: Siga o fluxo.

PS: Eu peço mil perdões pelo atraso! Caso tenha lido o aviso, viu que eu estou tendo problemas aqui! Postarei o mais rápido possível! (Não estou possibilitada a postar em finais de semana)

Histórico do Matheus.sam:
Nome do Player: Zhou Kun
N° de Posts: 1
Desvantagem: -x-
Ganhos: N/A
Perdas: N/A

Status:

HP: 50 (+10%)
ENERGIA: 95

Inventário:

Amuleto mágico

_________________
"A vida é curta demais para ficar preso em um lugar como sua cidade natal, principalmente para humanos! Saia, viva! O mundo é grande demais para se passar décadas em um único local." - Dawel
avatar
Pan

Mensagens : 26
Data de inscrição : 03/01/2015
Idade : 17
Localização : In the Guardian Florest ♥

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Descendentes da Ventania

Mensagem por Matheus.sam em 22/2/2015, 13:16

 
 


  Tremulava agora uma jovem chama na ponta de minha tocha, o som da madeira queimando se misturava com o farfalhar das folhas, o parco calor que emanava parecia pifiamente tentar combater o lancinaste frio vindo das brisas frias que entravam por nossas vestes. Nunca me arrependi tanto de ter deixado o manto em casa. Muito ao longe, corria o solitário rio e no alto, juntavam-se as nuvens do que seria a primeira chuva de verão.

  Se descortinava à nossa frente, por entre o manto sombrio da noite, uma trilha floresta a dentro. Hall pusera-se a caminhar, meneando por entre as vistosas árvores, mas parou de pronto. Parecia ter se deparado com alguma cousa importante. Uma pista talvez. Seu olhar se voltava para o chão. Mas...curioso, ele parecia não entender direito o que via. Quando tornou a me olhar, parecia mais em busca de alguma indicação do que aquelas marcas no chão significavam. De longe, pareciam marcas deixadas por uma cavalo, por causa do padrão. Aproximei-me para melhor poder analisar. Bastou um relance e, de pronto, entendi o porque da surpresa.

  Nunca os olhos de Hall haviam visto semelhante marca, bem como os meus. As pegadas tinham uma estranha forma, lembrando ligeiramente  uma nadadeira com garras nas pontas dos dedos, sendo algumas mais profundas que as outras, como se o peso do corpo fosse maior na dianteira...mas que absurdo! Não existe tal criatura! Anda como cavalo mas tem nadadeiras..que absur...!

  Quando dei por mim, um surto de medo sincero correu pela extensão de meu corpo e quase caí por chão. Eu...lembro desta criatura... um dos pavores de minha infância podia estar verdadeiramente percorrendo a floresta: o Nuckelavee!!!

Nuckelavee!!!:


  Mas o que fazia ele aqui, tão longe do mar? Ainda mais, estando a se aproximar o verão? Questões para o futuro. Independente disso, se fosse mesmo o Nuckelavee, todos corríamos perigo mortal. Era preciso avisar a Hall e encontrar os homens dispersos pela floresta. Me ocorreu que agora, sob tal suspeita, era preciso tomar diversas precauções. Sempre ter ciência do caminho de retorno e da direção do rio. Talvez fosse bom encontrar uma clareira e montar fogueira, o fogo de raposa tornaria o ponto visível e tanto nós quantos os homens dispersos teríamos um ponto de referência. Caso encontrasse água pura, um dos poucos recursos contra o Nuckelavee, coletar um pouco com o pote que carregava comigo.

  Porém urgia para a nossa segurança que eu conseguisse encontrar uma outra criatura maligna: o Okuri-inu, o "lobo expulsador". Ser seguido por um Okuri-inu era perigoso, mas garantia que nenhuma outra besta das trevas incomodaria você naquela noite, e pelo menos com ele eu já sabia lidar.

Okuri-inu:


  Me ocorreu que seria necessário avisar a Hall o perigo que corríamos devido ao possível Nuckelavee e explicar que o Okuri-inu seria um "recurso necessário", bem como a natureza da criatura. Pensava em como diria a ele:

-"Hall, o lobo expulsador nos manterá protegidos de outros seres das trevas pois, enquanto ele o segue, nenhum outro ser te atacará. Melhor procurar um do que esperar pelo acaso. Mas há um porém, ele busca viajantes solitários, seguindo a certa distância passo por passo, de modo que se queremos encontrar um teremos de nos separar ainda que momentaneamente. Depois que o encontrar, poderemos nos juntar novamente e ele "protegerá" a ambos. Talvez seja boa ideia acender fogueira numa clareira próxima para marcar o local de encontro."

-"Lembre-se: procure por um turbilhão de pardais noturnos cantando algo como "chi, chi, chi", são a marca de que um Okuri-inu te segue. E outra, ele só te atacará se tu caíres no chão, se isso acontecer, diga bem alto coisas como "que canseira, vou fazer uma pausa", fique no chão tomando fôlego por algum tempo e depois retome a marcha, caso contrário o lobo te partirá em pedacinhos."

-"Mas acima de tudo, tome cuidado com o Nuckelavee, ele matará sem pensar a quem, é veloz e forte, seu hálito destrói plantações e adoece os animais. Nem pense em enfrentá-lo. Sem a preparação correta, todos morreremos. Se ele está mesmo por aqui, deve estar procurando um lugar para se esconder, e lá ficará durante o verão todo, procure pistas de seu paradeiro".


 Independente de seguir ou não o plano, teríamos de adentrar na floresta e enfrentar seus vários horrores, correr o risco de esbarrar com um elfo ou outro, procurar os homens para avisá-los do perigo, encontrar pistas sobre o paradeiro desse suposto Nuckelavee, manter em mente rota segura para o rio, já que ele não atravessa água doce e depois tornar a Carvahall.

  -"Maldição! Nem tenho como atravessar o rio se precisar! Porque esse novo guardião do rio tinha de ser ranzinza? Urso velho...devia ter resolvido esse problema com antecedência. Melhor não contar a Hall sobre isso. Ele já deve estar deveras preocupado." pensava comigo mesmo, coisa já estava a se fazer muito recorrente.


off:

Esse post ficou muito grande, espero que não se entedie lendo, hehehe. As criaturas que descrevi realmente fazem parte de mitos antigos que eu conhecia. Tive de me concentrar em descrever a natureza das criaturas ao invés de emoções e cenário, se não ficaria muito, muito maior.
Enfim, espero que tudo isso venha a ser útil, porque, até onde eu sei, vc ja tinha planos p historia, mas eu só posso seguir com o que sei.
E outra, eu não sei oque é a assinatura que vc falou. Mas...http://reinodastrevas.forumeiros.com/t193-zhou-kun

Aqui vão uns links:
http://yokai.com/okuriinu/
http://portal-dos-mitos.blogspot.com.br/2014/10/nuckelavee.html
http://www.orkneyjar.com/folklore/nuckle.htm

Divirta-se com a historia ok
 
avatar
Matheus.sam

Mensagens : 39
Data de inscrição : 14/01/2015
Idade : 24
Localização : Natal(christmas city)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Descendentes da Ventania

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum